Festival Brasileiro em Fukui

Brasil Festivalem Fukui 2018 acontece neste dia 29 de setembro das 09h00 às 17h00 com entrada gratuita no Takefu Chuo Koen (clique aqui para abrir o mapa)

Para repetir o sucesso do ano passado será realizado novamente o Brasil Festival em Echizen (Fukui) onde a grande maioria – 80% – dos estrangeiros é verde amarela.

Estão programados 2 desfiles de samba, às 13h e 15h, com o colorido das plumas e brilho dos paetês.

Churrasquinho, pastéis e outras delícias estarão nas barracas de alimentos esperando pelos visitantes para uma verdadeira festa de confraternização.

Como são 3.227 brasileiros na província, espera-se grande comparecimento no evento.

Paralelamente acontece a exposição de crisântemos, em bonecas, a partir de 28 de setembro a 4 de novembro. Aproveite para apreciar a beleza das flores que são o símbolo do Japão.

Brasil Festival

&nbspBrasil Festival em Fukui

Fonte: Portal Mie | Mainichi

Foto: Divulgação

Locais de votação dos brasileiros no Japão

Em Hamamatsu o local é único, mas em Tóquio e Nagoia há vários locais de votação e devem ser conferidos para o primeiro turno.

As eleições no Brasil ocorrem em 7 de outubro, domingo, como primeiro turno. Cada consulado definiu os locais de votação para os brasileiros residentes no Japão, que ajudarão a eleger o presidente.

Se houver segundo turno será no mesmo mês, em 28. O horário é das 8h às 17h nos 3 consulados.

Os 3 postos brasileiros divulgaram seus locais de votação. Confira e providencie os documentos a serem apresentados.

O eleitor deve apresentar documento original brasileiro com foto, preferencialmente foto recente.

Serão aceitos um deles, com foto:

  • Passaporte
  • RG (identidade)
  • Carteira de motorista do Brasil
  • Documento militar

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou, por meio da resolução nº 23.554,  que os títulos de eleitores registrados no exterior não serão mais impressos e aqueles que se encontravam disponíveis para retirada não serão mais entregues.

O eleitor que estiver com sua situação eleitoral regular, mesmo sem o documento do título de eleitor, poderá votar apresentando documento brasileiro original com foto que comprove sua identidade. Veja um deles acima.

Para verificar sua inscrição eleitoral, número do título e seção eleitoral, poderá acessar a página web do Tribunal Superior Eleitoral.

Aplicativo e-Título

&nbspLocais de votação dos brasileiros no Japão

A situação eleitoral poderá ser consultada também por meio do app e-Título. Ao fornecer suas informações pessoais no aplicativo, conseguirá obter todos os dados relativos à sua situação eleitoral e local de votação.

O app e-Título pode ser obtido através do Google Play ou App Store. Saiba como usá-lo assistindo ao vídeo.

Eleitores do consulado de HAMAMATSU

Para quem está nessa jurisdição o local de votação é único. É no Consulado-Geral do Brasil em HamamatsuToque aqui para abrir o mapa.

Locais de votação para eleitores do consulado de NAGOIA

Para os residentes na área de jurisdição do Consulado-Geral do Brasil em Nagoia os locais de votação são 5. Vale lembrar que a sede do consulado e o Banco do Brasil não são locais de votação.

Verifique na página web o título e o local de votaçãotocando aqui para abri-la.

&nbspLocais de votação dos brasileiros no Japão
A tela é igual a essa
  1. Nagoia (Aichi): Universidade Chukyo – Yongokan (Prédio 4), Nishikan, 2.º e 3.º andares(toque aqui para abrir o mapa). Linha Tsurumai do metrô, estação Yagoto saída 5
  2. Suzuka (Mie): Escola Alegria de Saber-EAS (toque aqui para abrir o mapa)
  3. Toyohashi (Aichi): Prefeitura – Higashikan 13.º andar (toque aqui para abrir o mapa)
  4. Hiroshima (província homônima): 2.º andar do Ryugakusei Kaikan (toque aqui para abrir o mapa)
  5. Takaoka (Toyama): Yukawa Jinzai Service (toque aqui para abrir o mapa)

&nbspLocais de votação dos brasileiros no Japão

Locais de votação para eleitores do consulado de TÓQUIO

Consulado-Geral do Brasil em Tóquio providenciou 4 locais de votação, sendo que na capital do país o local é próximo ao consulado. Confira abaixo.

  1. Tóquio: eleitores das seções 1765, 1766, 1767, 1768, 1769, 1770, 1771, 1772, 1773, 1774, 1775, 1776, 1777, 1778, 1779, 1780 devem ir para Areal Conference Room Annex 2.º andar (toque aqui para abrir o mapa)
  2. Oizumi (Gunma): eleitores das seções 1815, 1816, 1817, 1818, 1819, 1820, 1821, 1822, 1823, 1824, 1825 devem ir para Oizumi-Machi Bunka Mura (toque aqui para abrir o mapa)
  3. Joso (Ibaraki): eleitores das seções 1806, 1807, 1808, 1809 devem ir para Prefeitura de Joso (toque aqui para abrir o mapa)
  4. Ueda (Nagano): eleitores das seções 1835, 1836, 1837 devem ir para Uenogaoka Kominkan (toque aqui para abrir o mapa)

Todas as palavras marcadas em vermelho são de links. Se tocar nelas abrirá uma nova página, como as dos endereços e indicações dos consulados.

Revogação de 385 vistos de permanência de estrangeiros em 2017

O anúncio foi feito pelo governo, de revogação dos vistos de permanência outrora concedidos aos estrangeiros.

A divulgação foi feita pelo Ministério da Justiça, na sexta-feira (28), informando sobre a revogação de 385 vistos de permanência dos estrangeiros no ano de 2017.

O procedimento vem sendo realizado desde 2005 e, se comparado com 10 anos atrás, o número é 3 vezes maior.

O tipo de status de permanência mais revogado foi o de estudante estrangeiro, com 172 casos. Em segundo e terceiro no ranking foram os de cônjuge de japonês ou outro (日本人の配偶者等), com 67 casos, seguido de tecnologia e especialista em humanas, com 66.

As pessoas estrangeiras que tiveram o visto revogado são de vários países, sendo maioria do Vietnã, seguido da China e Filipinas. Não há menção de brasileiros e peruanos na lista. Mas há status como os de residência permanente e residente de longo termo na lista.

Os motivos para revogação são vários, especialmente quando se apresentam documentos falsos, informou o ministério.

Fonte: Portal Mie | MJ

Foto: Flickr

A bela iluminação Flower Fantasy no Parque Ashikaga

O Flower Fantasy no Parque Ashikaga Flower em Tochigi foi classificado entre os 3 maiores eventos de iluminação no Japão em 2017.

Em sua 17ª edição no ano de 2018, o Flower Fantasy realizado no Parque Ashikaga Flower, na província de Tochigi, foi classificado entre os três maiores eventos de iluminação no Japão em 2017.

&nbspA bela iluminação Flower Fantasy no Parque Ashikaga
O efeito do espelho de água

Classificado como excelente por críticos de vistas noturnas no Japão, foi o melhor evento de iluminação por dois anos consecutivos e agora se tornou muito popular.

&nbspA bela iluminação Flower Fantasy no Parque Ashikaga
Todos os anos o parque recebe milhares de visitantes

Mais de 4,5 milhões de luzes embelezam os jardins em uma área de 94 mil metros quadrados.

&nbspA bela iluminação Flower Fantasy no Parque Ashikaga
A grande glicínia!

Grande parte das 4,5 milhões de lâmpadas são do tipo LED, em um esforço para considerar o ambiente e para economizar energia.

O Parque Ashikaga Flower apresenta três eventos temáticos, cada um oferecendo um show de iluminação que você não pode perder:

  • Fusion of Light and Amethyst Stage : 27 de outubro a meados de novembro de 2018
  • Christmas Fantasy: fim de novembro ao fim de dezembro de 2018
  • Co-starring light and peonies: 1º de janeiro a 5 de fevereiro de 2019

Anote mais informações e programe um passeio com a família e amigos! Clique aqui você pode ver fotos do evento de iluminação anterior.

Flower Fantasy – A Light Flower Garden

  • Local: Parque Ashikaga Flower
  • Período: 27 de outubro de 2018 (sábado) a 5 de fevereiro de 2019 (terça-feira)
  • Horário da iluminação: das 16h30 às 21h (sábados, domingos e feriados até as 21h30)
  • Valor do ingresso:
    Adultos: 900 ienes
    Crianças: 500 ienes
    Clique aqui para ver o valor do ingresso com entrada durante o dia
  • O jardim é fechado em 31 de dezembro (segunda-feira)
  • Site para informações: ashikaga.co (toque para abrir, em japonês e inglês)
  • Há estacionamento gratuito no local

Veja a localização do Parque Ashikaga Flower  clicando aqui

Fonte: Portal Mie

Entenda como é a jornada de trabalho no Japão (労働時間 Roudou jikan)

Intervalos

O intervalo deve ser utilizado pelo trabalhador de forma livre. Se a carga horária diária ultrapassar 6 horas, o tempo mínimo de intervalo é de 45 minutos; se ultrapassar 8 horas, o tempo mínimo de intervalo é de 1 hora.

O intervalo não é contado como horário de trabalho. Por isso, o empregador não tem a obrigação de pagar o valor equivalente ao intervalo.

Dias de folga

A lei determina 1 dia de folga por semana ou 4 dias de repouso em 4 semanas. Se o empregador quiser que o funcionário trabalhe nos dias previamente considerados como folga, deve avisá-lo com antecedência. Quando o funcionário comparecer à empresa no dia de descanso determinado por lei, deverá receber adicional de 35%.

O funcionário poderá compensar este dia de trabalho, folgando em um dia normal. Neste caso, porém, não será pago o adicional.

Horas extras

Existe a carga horária determinada por lei (houtei) e a estabelecida pela empresa (shoutei). Se, no contrato, forem estabelecidas 4 horas de trabalho por dia, este é o horário determinado pela empresa.

Mesmo que o funcionário trabalhe mais do que 4 horas por dia, a empresa não é obrigada a pagar a hora extra, a menos que a jornada ultrapasse as 8 horas por dia ou as 40 horas semanais.

Para definir o total de horas extras e os dias em que o funcionário deverá comparecer, mesmo sendo em datas previamente determinadas como descanso, o empregador e o sindicato representativo dos trabalhadores devem firmar um acordo. As bases desta negociação são formalizadas por escrito e entregues ao posto do Ministério do Trabalho da jurisdição da empresa.

Este acordo está prescrito no artigo 36 da Lei de Normas Trabalhistas. Por isso ele é conhecido como “saburoku kyoutei” pelos japoneses.

Para que a empresa permita que os seus funcionários trabalhem além da carga horária normal de 8 horas diárias ou de 40 horas semanais, é necessário efetuar esse pacto 36, com a aprovação do posto do Ministério do Trabalho da jurisdição da empresa.

Horário de trabalho

Conforme a lei trabalhista japonesa é proibido ultrapassar a carga horária de 8 horas diárias ou 40 horas semanais, excluindo os horários de intervalos.

Pequenos comércios, como salões de cabelo, pousadas ou lojas de cosméticos, com menos de 10 funcionários, podem estabelecer jornada de 44 horas semanais.

Pergunta e respostas

Acho que trabalho mais do que a lei permite e isso me está prejudicando. O que fazer?

Muitos trabalhadores têm sofrido graves sequelas, chegando, às vezes, à invalidez ou até a morte por excesso ou estresse no trabalho. Muitas empresas têm sofrido processos de indenização por terem imposto carga horária excessiva ao trabalhador.

Investigar, porém, se doenças como derrame cerebral e infarto do miocárdio foram provocadas pelas condições de trabalho não é tarefa fácil, principalmente para os familiares das vítimas.

A comprovação é feita através da carga horária, da irregularidade no conteúdo do serviço e do ambiente de trabalho nos seis meses anteriores à ocorrência da doença ou morte. Se, no mês anterior do acidente, as horas extras ultrapassaram 100 horas ou se, no período de dois a seis meses, elas excederam 80 horas/mês, deduz-se que a probabilidade da doença ter sido provocada por estresse ou excesso no trabalho é muito alta.

Se o funcionário quiser saber se está trabalhando além da carga permitida, deverá consultar a Inspeção de Normas Trabalhistas, onde foi entregue o acordo saburoku kyoutei feito com a empresa. Esse acordo define o limite de horas extras em determinada empresa e é estabelecido mediante negociação entre o empregador e um representante de mais da metade dos funcionários.

Mesmo que a carga extra de trabalho possa ser negociada de forma flexível pelas partes, há um limite máximo estabelecido por lei.

Trabalho como mensalista e não me pagam as horas extras. É correto isso?

Não é correto. Mesmo que seja mensalista, se o trabalho exceder as 8 horas diárias determinada pela lei trabalhista, a empresa é obrigada a pagar as horas extras.

A empresa disse para eu ficar em casa porque não tem serviço. A empresa não precisa cobrir este meu dia afastado do serviço?

Conforme o Artigo 26 da Lei de Normas Trabalhistas, caso o afastamento do funcionário no trabalho seja por iniciativa da empresa, por falta de serviço a oferecer, o empregador é obrigado a pagar no mínimo 60% da diária no valor do teiji (horário determinado no contrato de trabalho). Como retrata de, no mínimo 60% da diária, não há problema se o empregador pagar mais ou mesmo 100% da diária.

Fonte: IPC Digital

Ministério da Justiça do Japão divulga novas regras para escolas de língua japonesa

TÓQUIO – O Ministério da Justiça decidiu apertar as regras sobre escolas de língua japonesa a partir de outubro, numa tentativa de evitar que essas instalações ofereçam uma cobertura para o trabalho ilegal no Japão, segundo autoridades do ministério.

As escolas serão instruídas a abrir aulas durante todo o ano para manter uma alta qualidade de educação e impedi-las de oferecer currículos que permitam aos alunos trabalhar quando não houver aulas.

De acordo com a Japan Student Service Organization, o número de estudantes estrangeiros no Japão cresceu mais de 100.000 em um período de cinco anos, terminando em maio do ano passado, para cerca de 267.000. Do total, 78.000 alunos, ou três vezes o número de 2012, frequentaram 710 escolas de língua japonesa. O restante, ou 188 mil, foi para universidades e outros institutos de ensino superior.

Ao contrário das universidades, as escolas de língua japonesa podem ser abertas por corporações ou indivíduos, desde que essas instituições cumpram os padrões do Ministério da Justiça quanto às horas de aula ou ao número de professores. As atuais diretrizes do ministério estipulam que uma escola de japonês deve ter pelo menos 760 aulas por ano, ou 20 aulas por semana, enquanto cada aula deve ter pelo menos 45 minutos.

Mas algumas escolas colocam essas aulas em períodos limitados do ano e, assim, permitem que os alunos trabalhem durante o tempo restante. Embora o teto do horário de trabalho semanal para estudantes estrangeiros seja de 28 horas, eles podem trabalhar por até oito horas por dia enquanto estiverem de férias. Esse recurso é usado por algumas escolas de idiomas em uma aparente tentativa de atrair estudantes estrangeiros cuja verdadeira finalidade é trabalhar no Japão.

Em resposta a esta situação, o ministério introduzirá uma nova disposição às suas diretrizes, de modo que essas escolas tenham pelo menos 35 semanas de aulas ao longo do ano. A nova regra será aplicada às escolas a serem abertas em outubro ou mais tarde, enquanto as instituições existentes terão que cumprir a partir de outubro de 2020.

Além disso, as escolas serão obrigadas a ter diretores-adjuntos a partir de outubro de 2020, se um único diretor gerenciar várias escolas de língua japonesa.

“Queremos devolver essas escolas à sua forma pretendida de ensinar a língua japonesa”, disse um funcionário do ministério ao explicar o motivo da mudança.

O movimento do ministério acontece quando o governo planeja introduzir mudanças legais para abrir mais as portas do país para trabalhadores estrangeiros em áreas como construção e enfermagem que sofrem com grave escassez de mão-de-obra.

Além disso, a administração do primeiro-ministro Shinzo Abe tem planos de tornar mais fácil para graduados estrangeiros de universidades japonesas de quatro anos e escolas vocacionais especializadas em áreas promovidas pela estratégia do governo “Cool Japan”, como animação, culinária japonesa e design de jogos, encontrar emprego no Japão, diminuindo as regras sobre status de residência.

Aparentemente, o ministério vai apertar suas regras nas escolas de língua japonesa para que a qualidade dos alunos que estudam lá melhorem.

Houve casos de operadores de escolas de língua japonesa sendo presos pela polícia por supostamente permitir que seus alunos trabalhassem mais do que o permitido legalmente. Um desses casos envolve o presidente de uma empresa de colocação de pessoal que também serve como chefe de uma escola de língua japonesa na cidade de Ashikaga, na província de Tochigi, ao norte de Tóquio. O suspeito foi preso pelos departamentos de polícia da província de Tochigi e Gunma em novembro de 2016 por suspeita de promover trabalho ilegal.

O presidente é acusado de despachar dois estudantes vietnamitas como trabalhadores do armazém e permitir que trabalhem mais do que o limite de 28 horas por semana. Os estudantes vietnamitas também foram presos sob suspeita de cometer atividades não permitidas sob seus status de residência.

Em maio de 2017, um diretor administrativo de uma empresa de administração de edifícios que administra uma escola de língua japonesa na cidade de Kyoto, no oeste do Japão, foi preso com outro indivíduo sob uma acusação semelhante. Eles são suspeitos de permitir que dois estudantes do Sri Lanka trabalhem mais horas do que o limite legal.

Enquanto isso, o número de estudantes estrangeiros que ultrapassam seus vistos tem aumentado desde 2015, chegando a 4.100 a partir de 1º de janeiro deste ano. Por nacionalidade ou área de origem, o número de vietnamitas que permanecem ilegalmente está aumentando rapidamente. Dos que acabaram de chegar ao longo do tempo, 51% frequentaram escolas de língua japonesa em 2016.

Fonte: IPC Digital

Brasileiros em destaque no World Sushi Cup 2018

Anualmente é realizado o World Sushi Cup no Japão. A associação que promove o evento tem exigências rigorosas como experiência comprovada de mais de 5 anos, entre outras habilidades para o edomae sushi.

São chefs de sushi do mundo todo que participam dessa importante competição, realizada em Tóquio. Antes da final, são pré-selecionados os 20 melhores. Dentre eles, houve destaque para presenças femininas. Uma taiwanesa representando a Austrália, além de uma italiana e uma brasileira.

&nbspBrasileiros em destaque no World Sushi Cup 2018
Em 4.º lugar brasileira Sandra, residente em Aichi, que veio há 24 anos para trabalhar em fábrica apresentou suas “obras” (divulgação)

Sandra Mari Saito reside em Aichi, residente há 24 anos. Estudou na All Japan Sushi Academy em Nagoia e ficou em quarto lugar. É a segunda vez que participou do concurso.

Os campeões

Com o rigor do tempo, os chefs mostraram que dominam a técnica e também a arte. Mas também precisam mostrar que lidam bem com a higiene, pois lidam com peixes crus, e também devem mostrar criatividade preservando o estilo Edo.

O campeão foi o malaio Tai Koon Siang, o qual trabalha em Singapura. Em segundo lugar, obteve o troféu Wagner Spadacio, um francês que trabalha no seu país.

&nbspBrasileiros em destaque no World Sushi Cup 2018
Brasileiro e suas obras em sushi que lhe garantiram o 3.º lugar (divulgação)

Voltou para casa com o troféu de terceiro lugar o brasileiro Valter José dos Santos, o qual trabalha no Akira Cozinha Japonesa.

Outros 3 brasileiros premiados

Danilo Prado, do Gion Culinária Japonesa, voltou com um diploma de prêmio especial oferecido pela Indústria Química Hasegawa.

&nbspBrasileiros em destaque no World Sushi Cup 2018

Outro que voltou para casa com o diploma do Oisemairi Honpo foi Leonardo Feliz Pacheco Gonçalves, representante do Tomihama Sushi.

&nbspBrasileiros em destaque no World Sushi Cup 2018

Um nikkei, representante do The International Culinary Institute of Japan, Mitio Shimada recebeu prêmio especial da empresa Kinjirushi Bussan.

&nbspBrasileiros em destaque no World Sushi Cup 2018

O World Sushi Cup 2018 foi realizado em 23 e 24 de agosto, no Tokyo Big Sight, durante a Feira Internacional de Frutos do Mar do Japão.

Fonte: Portal Mie

Fotos: Divulgação

Liberdade recebe exposição de orquídeas com mais de 1 mil plantas

A chegada da primavera traz o ar da alegria e cheiro das flores. Porém, mais do que caminhar em um jardim com um visual colorido e perfumado é trazer essa beleza para dentro de casa. Essa oportunidade será oferecida, a partir de hoje, no bairro da Liberdade, em São Paulo, onde acontece a 99ª edição da tradicional “Exposição de Orquídeas”.

Considerada um dos maiores eventos do gênero, a mostra deste ano apresentará ao público cerca de 1 mil plantas de coleciona-dores, sendo 100 espécies diferentes. Um dos destaques é a Dendrobium, popularmente conhecida co-mo “olhos de boneca”, devido ao tom do labelo em relação as pétalas e sépalas e pela diversidade de cores das flores.
“Na realidade, as novidades são uma surpresa até mesmo para nós, pois todos os anos aparecem raridades que só vemos na hora mesmo. Assim, o público pode ter certeza que teremos muitas opções conhecidas, assim como em todas as outras edições, e algumas plantas pouco vistas”, revela a presidente da Associação Orquidófila de São Paulo (AOSP), Lúcia Morimoto.

Outro destaque dessa edição será a Cattleya labiata. Por se adaptarem bem em ambientes úmidos, ventilados e com luz indireta do sol, as orquídeas são consideradas de fácil cultivo. Sucesso entre as Cattleyas, principalmente para decoração, é conheci-da também como “Rainha do Nordeste”, e surpreende por seu perfume e suas flores grandes, cujo tamanho varia entre 20 e 25 cm. O visitante terá ainda a oportunidade de comprar desde pequenas mudas, a partir de R$ 10,00, até plantas adultas floridas, a partir de R$ 15,00. “Aqueles que pretendem gastar um pouco mais, por volta de R$ 40,00 a R$ 50,00, sairão do evento com um exemplar bastante florido”, garante a presidente.
Porém, além das dúvidas pela quantidade de opções oferecidas, há sempre um receio sobre o trata-mento das plantas e quais espécies são mais indicadas para determinados espaços, temperaturas e ambientes.

Para acabar com esse problema, os visitantes podem participar de cursos gratuitos de cultivo, que são ministrados por membros da AOSP, e ainda comprar livros, com preços em conta, para aprender mais sobre o tema. “Esses cursos são voltados para as pessoas que querem passar a ter um pouco de noção sobre a criação de orquídeas. É o básico para começar o cultivo da for-ma correta”, explica Morimoto.

Fonte: Jornal São Paulo Shimbun

60 mil brasileiros que moram no Japão podem votar para presidente em outubro

Em uma disputa que, assim como em 2014, promete ser bastante acirrada e polarizada, todo o voto é importante para os candidatos das eleições deste ano e, para o cargo de presidente, os brasileiros no Japão terão relevância.

De acordo com dados oficiais divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 500.728 mil brasileiros residentes no exterior se inscreveram para votar em uma das 1.790 seções eleitorais fora do Brasil, o que representa um crescimento de 41,4% do que foi registrado na eleição presidencial anterior, quando 354.184 eleitores se cadastraram para exercer o direito ao voto. O aumento, segundo o TSE, ocorreu após a implantação do sistema de atendimento no exterior, chamado de “Título Net Exterior”, em 21 de fevereiro do ano passado, que tirou a obrigatoriedade do cidadão de comparecer várias vezes à Embaixada para se regularizar.

No Japão, que mantém a segunda maior concentração de votantes brasileiros, perdendo apenas para os EUA (160.035), nada menos que 60.720 pessoas são esperadas para votar neste ano. Ainda de acordo com os dados apre-sentados pelo TSE, a capital Tóquio, no geral, é o terceiro município com mais eleitores fora do país (26.098), perdendo apenas para Boston e Miami, ambas nos Estados Unidos, com 35.051 e 34.347 eleitores, respectivamente.

Outra cidade no Japão, Nagóia, também está no top 5 de eleitores brasileiros cadastrados, com 24.520. Está logo atrás de Londres, na Inglaterra, que tem 25.927 eleitores aptos. É importante lembrar que eleitores no exterior só poderão dar seu voto para eleger o presidente da República. O voto aos cargos de governador, senador, deputado federal e deputado estadual só pode ser dado pelo eleitor que estiver no domicílio eleitoral no Brasil.

Fonte: Jornal São Paulo Shimbun

‘Pavilhão do Gelo’ no norte do Japão atrai visitantes

Você é daqueles que gosta tanto do inverno que desfrutaria dele o ano inteiro? Conheça esse pavilhão coberto por pingentes de gelo que vêm crescendo continuamente ao longo dos anos.

O pavilhão é coberto por pingentes de gelo em suas paredes e tetos que vêm crescendo continuamente ao longo dos anos.

Visitantes usando capas caminham por um túnel de gelo de aproximadamente 200 metros de comprimento onde as temperaturas são mantidas a 20ºC negativos na instalação que fica na cidade de Kamikawa.

O Hokkaido Ice Pavillion oferece aos visitantes uma chance de vivenciar o inverno que faz na província no extremo norte do Japão.

Há também uma sala onde as pessoas podem ficar por 10 segundos para sentir o quão fria é a temperatura de 41ºC negativos, que foi observada na cidade de Asahikawa em 1902 e é a mais baixa já registrada no Japão.

A entrada geral custa 1.800 ienes. Para mais informações, acesse o site do local tocando aqui.

Fonte: Portal Mie